A atual Escola de Música (EMUFRN) foi criada no ano de 1962 e vinculada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) nesse mesmo ano, no dia 04 de outubro. Foi de Onofre Lopes, então reitor,  a iniciativa de implementação desse espaço de formação.
 
Em janeiro de 1968, a escola foi integrada ao antigo Instituto de Letras e Artes, e em seguida, passou a ser órgão integrante do Centro de Ciências Humanas Letras e Artes.
 
A primeira sede da EMUFRN situava-se à Rua Floriano Peixoto, 336, logo em seguida mudou-se para a Praça Cívica Pedro Velho, 397 e posteriormente, até o início da década de 1990, estabeleceu-se na Rua Mipibu, 419. No ano de 1991, na reitoria de Daladier da Cunha Lima, a Escola de Música mudou-se para sua nova sede no setor do Campus Universitário da UFRN, um projeto ousado e de grande importância para o desenvolvimento da música no Rio Grande do Norte.
 
Com esse passo, por meio dos seus vários dirigentes, professores funcionários e alunos, nossa escola obteve conquistas expressivas. Durante as três primeiras décadas de sua atuação, a EMUFRN movimentou a cultura musical no estado, promovendo seminários, recitais, festivais, encontros de bandas, ciclos de conferências e apresentações de professores e alunos. A instituição foi de fundamental importância para o desenvolvimento do cenário musical na cidade.
 
De acordo com o Artigo 3º do Regimento Interno da Escola de Música, anexo a Resolução 69/82 - CONSUNI de 15/07/82, nossas atividades curriculares e extracurriculares têm a seguinte estruturação: Curso de Iniciação Artística, Curso Preparatório, Curso Médio e Curso Final. Nesse sentido, a EMUFRN entra em consonância com os objetivos da sua criação, cumprindo sua função enquanto unidade de extensão na Universidade. 
 
No ano de 1997, a EMUFRN iniciou o curso de bacharelado em música. No ano de 1998, o Ministério da Educação e Cultura, autorizou o funcionamento do Curso Técnico em Música, e, em maio de 2002, a comunidade optou por elaborar um projeto que transformou a Escola de Música, numa Unidade Acadêmica Especializada, cuja característica da unidade administrativa é cumprir, isolada ou conjuntamente, objetivos especiais de ensino, pesquisa e extensão, que, por sua complexidade, requeiram estrutura administrativa própria compatível com suas atividades. Ainda no ano de 2004, foi criado o curso de licenciatura em música, uma ação de grande importância para a formação de profissionais nessa área.
 
São 45 anos dedicados ao ensino, as atividades de extensão (seminários, cursos, master class, promoção de eventos musicais, entre outros) e pesquisa. Durante esse período Natal (RN) aplaudiu inúmeros conjuntos compostos por docentes e alunos da Escola de Música; duos, trios, quartetos, quintetos e outras formações, cujas repercussões de suas performances, muitas vezes, ultrapassaram o solo potiguar.

Corpo discente

Corpo docente

Corpo técnico-administrativo

647

matrículas ativas

63

professores
e professoras

26

servidores
e servidoras

Cursos ofertados

  • Ensino técnico

    • Instrumento musical:

      • Clarinete 

      • Contrabaixo (acústico ou elétrico)

      • Flauta (doce ou transversal)

      • Guitarra elétrica

      • Oboé

      • Fagote

      • Percussão

      • Bateria popular

      • Piano

      • Piano popular

      • Saxofone

      • Trombone

      • Trompete

      • Trompa

      • Tuba

      • Viola

      • Violão

      • Violão popular

      • Violino

      • Violoncelo

    • Canto (popular e erudito)

    • Regência

    • Processos fonográficos

  • Ensino superior

    • Bacharelado em Instrumento, com habilitação em:

      • Canto

      • Clarinete

      • Contrabaixo

      • Fagote

      • Flauta Transversal

      • Oboé​

      • Percussão

      • Piano

      • Saxofone

      • Trombone

      • Violão

      • Violino

    • Licenciatura em Música

  • Pós-graduação

    • Mestrado em Música

Gestão

Diretores.jpg

Jean Joubert Freitas Mendes

Diretor

Graduado (2001) em Educação Artística e licenciado (2001) em Música pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), mestre (2004) e doutor (2009) em Música pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Foi professor visitante na Queen's University Belfast (QUB), Irlanda do Norte. Professor da Escola de Música desde 2008. Tem experiência na área de Música, com ênfase em Etnomusicologia e Educação Musical. 

WhatsApp Image 2020-11-30 at 18.02.11.jp

Fabio Presgrave

Vice-diretor

​Bacharel (2000) em Violoncelo e mestre (2002) em Performance pela Juilliard School (EUA), doutor (2009) em Música pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doutor (2016) pela Universidade de Münster. Atuou como solista da Qatar Philarmonic, Orquestra Filarmonica de Rosário e as Sinfônicas de Minas, Brasileira, Bahia e Paraná. Professor da Escola de Música desde 

José Daniel Diniz Melo

Reitor

Henio Ferreira de Miranda

Vice-reitor

Destaques

Escola de Música oferece oportunidades de intercâmbio

Durante a estadia em Natal, os alunos de fora podem ter aulas de música brasileira, participar de grupos, assim como viver experiências nas áreas sociais. Da mesma forma, estudantes da EMUFRN têm experimentado grande enriquecimento no exterior. Atualmente com financiamento do ERASMUS, programa de bolsas europeu, o programa de internacionalização tem promovido intensa parceria e troca de conhecimentos com escolas e conservatórios da Itália, Finlândia, Dinamarca e Alemanha, o que tem contribuído para um grande amadurecimento institucional da EMUFRN.

Conheça o Setor de Musicografia Braille e Apoio à Inclusão

O SEMBRA é o setor responsável pela prestação de serviços de suporte técnico e articulação de projetos de ensino, pesquisa e extensão na área da música e educação musical especial e inclusiva. O setor tem articulado projetos de ensino, pesquisa e extensão nessa área, visando desenvolver ações que contribuam para a inclusão social e educacional de pessoas com deficiência. A criação desse setor se configurou como um importante passo para o fortalecimento das ações que vem sendo desenvolvidas na UFRN em relação à política de inclusão voltada para as pessoas com deficiência e outras necessidades educacionais específicas nos diversos níveis de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Curso de Iniciação Artística está ativo desde 1962

O CIART já teve em seu currículo a iniciação nas diversas linguagens artísticas como música, teatro, artes plásticas e literatura. Hoje, porém, trabalha mais especificamente voltado para a formação musical das crianças, tendo as linguagens como meio de enriquecer a experiência musical. Com 3 anos de duração, traz a proposta de preparar a criança para a aquisição de uma consciência artística, favorecendo o desenvolvimento do gosto estético e o senso musical através de diversas atividades, proporcionando uma vivência multilateral da arte além de trabalhar aspectos como a independência, criatividade, coletividade e concentração

Mais informações

Condetuf

Conselho Nacional de Dirigentes das  Escolas

Técnicas Vinculadas às Universidades Federais

+55 61 99677-4297